pesquisa

Trabalhos acadêmicos que fazem a diferença na periferia

Atualizado em 1 de agosto | 9:53 AM

Cultura, literatura, tecnologias digitais e produção das periferias se encontram nos trabalhos da professora, jornalista, ensaísta e pesquisadora Heloísa Buarque de Hollanda. Paulista de Ribeirão Preto, Heloísa graduou-se em Letras na Pontifícia Universidade Católica (PUC/RJ) e fez mestrado e doutorado em Teoria da Literatura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Na Columbia University, em Nova York, fez pós-doutorado na mesma área.

É professora emérita da UFRJ, onde coordena o Projeto Avançado de Cultura Contemporânea. No Jornalismo, atuou em diversos meios de comunicação, apresentando programas na TV e rádio e colaborando com veículos impressos e virtuais.Também exerceu funções de cunho executivo, sendo responsável pela direção do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro (MIS/RJ), entre 1983 e 1984.

Atualmente, Heloísa é diretora da Aeroplano Editora, voltada para projetos editoriais alternativos e curadora de um portal sobre cultura contemporânea. Autora de importantes publicações para a cultura brasileira e idealizadora de projetos que integram periferia e universo acadêmico, a pesquisadora conversou com o Ecaderno e contou sua trajetória profissional e as dificuldades e resultados de seus trabalhos.

Você ingressou na faculdade com apenas 17 anos. Houve incertezas na hora de escolher qual carreira seguir?

Hoje eu sinto que não escolhi na realidade.

Continue lendo »

Programa Professor-Leitor

Atualizado em 15 de setembro | 12:27 PM

O encontro decisivo entre as crianças e os livros se produz nos bancos escolares. Quando se produz numa situação criativa, na qual o que conta é a vida e não o exercício, pode surgir o gosto pela leitura, com o qual não se nasce, pois não é um instinto. Quando se produz numa situação burocrática, quando se maltrata o livro como instrumento de exercícios (cópias, resumos, análise gramatical, etc.), sufocado pelo mecanismo tradicional “exame-julgamento”, pode nascer a técnica da leitura, não o gosto. As crianças saberão ler, mas só lerão se forem obrigadas.

Fernando Savater.

Objetivo

Transformar o professor em leitor através de um percurso pelos diversos ofícios que permitem essa transformação. São eles: ofício de platéia, de leitor, de fomentador de alunos-leitores, de produtor de conhecimento e de professor reflexivo.

 

Justificativa

Temos nos saído muito mal nos índices de leitura do SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica. Nossas crianças lêem mal e pouco compreendem o que lêem. O conceito de leitura vem se modificando profundamente ao longo das últimas décadas. Se antes significava codificar e decodificar letras em sons e sons em letras, a leitura, hoje em dia, significa ser capaz de navegar nos segredos e mistérios de uma quantidade imensa de gêneros de texto – e seus respectivos contextos – , tais como, carta, requerimento, procuração, notícia, reportagem, propaganda, bilhete, cartaz, romance, conto, poema, charge, relatório, receita, lista de compra, cartão de felicitação, nota fiscal, recibo, verbete de dicionário, cheque, e-mail, crítica de cinema, artigo de opinião, classificados de jornal, mapa, roteiro turístico, guia turístico, placa de sinalização, música, paródia, livro de histórias, biografia, rótulo, entre tantos outros gêneros discursivos possíveis.

Continue lendo »

A Nova Expressão das Mulheres da Periferia

Atualizado em 15 de setembro | 12:22 PM

Claudia Ferreira
Heloisa Buarque de Hollanda

 

Não resta sombra de dúvida de que nestes últimos 40 anos, o movimento feminista no Brasil apresentou conquistas definitivas. Entretanto, não há como negar que a grande maioria de mulheres que conduziram estas lutas são mulheres de classe média ainda que estas tenham conseguido disseminar os resultados de suas conquistas para além das fronteiras de classe. Nesse terreno, o século XXI, traz novidades.

Pela via da cultura, mulheres das favelas e das comunidades carentes da periferia começam a apresentar um novo discurso, de alto poder interpelativo e político, que vai conquistando espaço não apenas em suas comunidades locais, mas também nas conexões que vêm se estabelecendo nestes últimos anos entre as vozes da periferia e a experiência social e cultural das classes médias. É surpreendente o potencial da produção cultural dos segmentos ditos “excluídos” e de um nicho representativo específico desta produção, que, neste projeto estamos chamando de a “Nova Expressão das Mulheres da Periferia”.

 

 

Belas, agressivas, cheias de gana e autoconfiança, essas mulheres vêm se destacando na cena cultural, sinalizando formações culturais de dicção inovadora que, além de atrair um público significativo em torno de suas atividades culturais ou empresariais, começam a ser tema de matérias jornalísticas e de debates e seminários acadêmicos.

Continue lendo »

Memória do presente, memória do futuro

Atualizado em 15 de setembro | 12:12 PM

Projeto de disponibilização dos arquivos de cultura contemporânea/PACC/UFRJ

APRESENTAÇÃO

O Pacc

O Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC), da Universidade Federal do Rio de Janeiro, é um programa de excelência acadêmica de caráter interdisciplinar, que articula pesquisadores dos diversos centros de pesquisa da UFRJ e outras universidades, além de organizações da sociedade civil a ele vinculadas. O Programa produz e mantém atualizado o acervo on-line das Bibliotecas Virtuais de Estudos Culturais, Literatura e Artes Cênicas – criadas em 1996 e 2002 pelo projeto Prossiga, do CNPq.  Incorporadas desde 2004 ao SIBI da UFRJ, cada uma dessas bibliotecas relaciona mais de 2.000 sites, todos comentados, referentes às suas áreas específicas.

O PACC ainda abriga vários projetos de pesquisa e realiza uma experiência de ponta através do formato que imprimiu a seu Programa de Pós-Doutorado, que prevê a colaboração transnacional, reunindo especialistas de diferentes áreas e instituições nacionais e estrangeiras por meio de seu projeto de pesquisa à distância, o que certamente vai continuar dinamizando e alimentando a expansão deste acervo.

O PACC é a base conceitual e o laboratório de estudos sobre cultura urbana e globalização do Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ. Sua maior ênfase atual é no estudo da cultura urbana, em questões como a exclusão social e as novas dinâmicas da desigualdade nas sociedades em desenvolvimento (vide www.ufrj.br/pacc).

Continue lendo »

Revista Outra Travessia

Atualizado em 19 de agosto | 6:18 PM

Programa de pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina

 

1) Que tipos de influências teóricas você considera importantes para configuração do trabalho crítico que você vem realizando?

Ainda que estes autores não estivessem presentes na minha formação, hoje em dia trabalho bastante com Stuart Hall, Andreas Huyssen, Fredric Jameson, Nestor Garcia Canclini e mais recentemente, Antonio Negri.

 

2) Qual é o seu projeto de investigação pessoal neste momento?

Continuo relendo aos anos da virada, ou seja os anos 1970/80. Mas começo a trabalhar com o novo imaginário urbano configurado pelos canais recém abertos entre a cultura “da periferia” e a cultura ” do centro” . Neste sentido, começo a separar também bastante material sobre as novas configurações da autoria e do copyright nesse novo campo de trabalho e sobre o impacto da linguagens da internet na produção e na criação em forma de coletivos e redes.

 

3) Quais as leituras que está fazendo atualmente?

Tudo o que é produzido pela ou sobre a cultura da periferia em termos de literatura e visualidade. A produção teórica britânica encontrada na internet nesse sentido é bastante especial.

 

4) Em sua opinião seria interessante a existência de uma crítica literária e cultural de âmbito latino-americano?

Continue lendo »