literatura brasileira

Carpeggiani

Atualizado em 18 de agosto | 4:53 PM

1 – Como surgiu o interesse de, em épocas distintas, reunir novos autores para uma antologia, quando é que você percebeu que havia algo de novo na literatura brasileira?

 

Eu sou viciada em poesia. Eu leio um poema, olho um poema , ouço o poema. Isso me fez ler sempre muito poesia.  E por isso, os poetas novos sempre me mandam seus trabalhos e comecei a perceber como é forte a poesia enquanto expressão de uma época. Talvez pelo péssimo motivo de a poesia não ter mercado, ela é bem mais livre do que a prosa para experimentar, divagar, traduzir o ethos de um momento. Foi assim que, de leitora de poesia  passei a usar a poesia também para compreender meu momento.

Quando nos anos 70, o consenso era de que havia-se aberto um inexorável vazio cultural diante da censura e dos limites impostos pela ditadura, observei que a poesia começa exatamente a se proliferar de modo ainda inédito na história. Eram muitos os poetas, eram muitos os livros de poesia que circulavam de mão em mão. Comecei a me deter um pouco mais naqueles textos de jovens poeta e pareceu claro para mim a importância do testemunho geracional que aquela poesia continha.

Continue lendo »

Esses Poetas

Atualizado em 18 de agosto | 3:40 PM

Como é que você está vendo as primeiras reações críticas à Antologia Esses Poetas?

 

Acho totalmente normal a reação, até porque a outra antologia (26 Poetas Hoje) já teve essa reacão polêmica.  Eu acho que a antologia de agora pega uma ressaca da outra. A antologia de agora ficou importante porque a anterior lançou nomes e fez um cânone. Um cânone absolutamente malcriado, porque era contra tudo que prestava na época. Era contra o concretismo e era contra a dicção solene. Você tinha os poetas estabelecidos, tipo Nejar e outros, e tinha a coisa “nova” na época que era o experimentalismo. Tudo isso foi afastado pela 26 Poetas Hoje, sendo eleitos aqueles que até então não estavam em lugar nenhum. Foi uma astúcia, uma travessura do destino. Oitenta por cento daqueles poetas ficaram. Tornaram-se alguma coisa e estão aí. Essa reação de agora, esse segundo round, tem muito a ver com a expectativa criada pelo impacto e pela permanência da 26 Poetas Hoje. Se eu fosse poeta, eu gostaria de entrar para essa antologia de agora, porque já veria como tipo loteca, tipo sorte grande. O poeta pensa, “de repente eu entro pro cânone”. Se para aquela valeu, por que não valeria para esta?

Continue lendo »